Patologia da ColunaPatologia da Coluna

By Patologia da Coluna

Estenose do canal lombar

A estenose ou síndrome do canal lombar estreito é causada pelo estreitamento do canal vertebral, o qual contém a medula espinhal e as raízes nervosas. A doença, mais comum nos idosos, tem como principal sintoma a dificuldade para andar, por conta da dor que corre para as pernas, além de poder ser acompanhada da dor nas costas.

Quando o paciente apresenta esta patologia, a cirurgia pode ser um procedimento efetivo, como explica o Dr. Rodrigo Amaral, ortopedista do IPC. “Geralmente, ele consiste na descompressão dos nervos, ou seja, desapertar esses nervos que vêm sendo comprimidos ao longo do tempo”.

O ortopedista explica que a descompressão pode ser feita de diversas formas: técnicas clássicas ou minimamente invasivas.

Em relação ao tratamento conservador, a fisioterapia é indicada para fortalecer a musculatura da área afetada. Mas o Dr. Rodrigo Amaral lembra que, na maioria das vezes, esse tipo de tratamento pode não ser suficiente para resolver casos mais crônicos e a cirurgia se torna fundamental.

 

*foto: Spine-health

By Patologia da Coluna

Já está disponível a 6ª edição do IPC em Revista

O Instituto de Patologia da Coluna acaba de lançar a sexta edição de sua revista voltada à comunidade médica e científica. Com temas que abordam a Mielopatia Espondilótica Cervical e Hérnia de Disco, os textos são assinados pelo neurocirurgião Dr. Angelo Guarçoni Netto e o ortopedista Dr. Fernando Marcelino.

Confira a publicação na íntegra: IPC em Revista – 6° edição

By Patologia da Coluna

Os tumores da coluna vertebral

Conheça os principais tipos de tumores que afetam a região

Os tumores na região da coluna vertebral são doenças que crescem e se desenvolvem dentro ou em torno da coluna, produzindo compressão de tecidos nervosos ou destruição óssea. Eles constituem apenas a terceira causa de dor da coluna, atrás da doença degenerativa e dos traumas.

Quando estes surgem nessa região do corpo, podem ser benignos, quando um tecido tem seu crescimento aumentado, formando uma lesão; ou malignos, quando esse tecido tem crescimento mais desordenado, e cria uma massa de caráter infiltrativo com destruição dos tecidos ou invasão de outros órgãos a distância. Estima-se que os tumores originados na própria coluna representem somente 10% de todos os tumores espinais. Entretanto, as metástases (migração de outro câncer) na coluna não são tão raras e são potencialmente graves, visto que a coluna vertebral tem um rico suprimento sanguíneo e as células cancerosas podem se espalhar para esta parte do corpo.

Em relação aos sintomas mais importantes, tidos como “sinais de alerta”, estão: dor noturna (que não alivia com a medicação e evolui com piora progressiva não relacionada à atividade física), fadiga, perda de peso, alterações da força muscular, atrofia do membro e dificuldade de andar.

Quando há suspeita de incidência, o diagnóstico acontece a partir de exames de imagem, como a radiografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética, que facilitam a identificação precoce. A cintilografia óssea e a biopsia da lesão também podem ser indicadas para ajudar o oncologista a avaliar o estadiamento da doença, o estágio evolutivo do tumor e as indicações de tratamentos, que devem envolver sempre uma equipe multidisciplinar com cirurgião de coluna, oncologista, fisioterapia, enfermagem e psicologia.

O tratamento adotado dependerá das condições clínica e neurológica do paciente e do grau de invasão do tumor. Para o tratamento dos tumores da coluna vertebral, é fundamental o conhecimento do tipo da lesão, sua localização, tamanho, estadiamento oncológico e as condições do paciente.

Nos dias de hoje, os tumores da coluna podem ser rapidamente diagnosticados e prontamente tratados. Cabe ao médico do atendimento primário identificar, ficar atento às características e aos sinais de alarme e, principalmente, prevenir as doenças antes que elas se disseminem. O paciente deve fazer acompanhamento médico regular e realizar os exames de prevenção, como a mamografia, papanicolau, próstata e procurar um cirurgião de coluna quando ocorrer algum sinal de alerta.

By Patologia da Coluna

Acesso lateral: uma opção moderna para a coluna

O Acesso Lateral é realizado com o paciente deitado de lado e utiliza uma pequena incisão no flanco direito ou esquerdo. A dissecção de músculos é feita sem cortar as fibras musculares, somente afastando elas, assim com menor dano muscular. Por entre as fibras do músculo psoas (músculo ao lado da coluna lombar) é feita uma dilatação progressiva, criando um campo visual de trabalho com iluminação com fibra ótica dentro do sítio cirúrgico. Assim, não é necessário o uso de vídeo endoscopia ou microscópio.

Um aparelho de monitoração EMG (eletroneuromiográfica) é utilizado como um “GPS” para posicionar o retrator entre os nervos do plexo lombar. Com esta técnica é viável agir diretamente na principal articulação da coluna – o disco intervertebral -, sem a necessidade de retração direta de raízes nervosas e nem do saco dural (continuação da medula) para fazer a fusão intersomática.  

Após a retirada do disco intervertebral degenerado, um cage amplo é colocado com enxerto ósseo para restaurar a altura discal entre as vértebras e aumentar a altura do forame intervertebral, por onde passa a raiz nervosa.

 

 

 

 

 

 

 

 

O objetivo das cirurgias menos invasivas é atingir resultados iguais ou superiores aos das cirurgias abertas e reduzir efeitos colaterais aos tecidos sadios e danos ao paciente.

Quer saber mais? O Dr. Luiz Pimenta, neurocirurgião (especialista em coluna), também explica a técnica no vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=mbD_kVbauB8

By Patologia da Coluna

Quando operar e quando não operar…

 

Ortopedista do IPC e presidente da Sociedade Brasileira de Coluna-SP, Dr. Rodrigo Amaral comenta a reflexão proposta por renomado médico inglês

 

Mais um texto sobre saúde agita as redes sociais. As declarações do neurocirurgião inglês, Henry Marsh, provocam uma reflexão sobre a importância das tomadas de decisão e as repercussões que elas têm.

Marsh entende, diz o Dr. Rodrigo Amaral, que mais importante do que saber operar é saber quando não operar. “Este talvez seja o dilema que envolve cada tomada de decisão em um consultório médico. No complexo processo que envolve a opção cirúrgica, inúmeros fatores devem ser levados em consideração”, afirma o ortopedista do IPC. “Os aspectos técnicos relacionados a essa escolha são aqueles nos quais nós, médicos, nos debruçamos intensamente em toda nossa vida profissional e acadêmica”, ressalta.

As mais difíceis respostas são as que extrapolam esses quesitos. “A grande pergunta que sempre ronda nossa pratica é: será que, mesmo com correta indicação, seria necessário realizar esse procedimento? Ou ainda, mesmo que necessários, seria razoável? Ou pior: mesmo que necessário e razoável, trará melhora ao indivíduo?”, indaga o Dr. Rodrigo. Essa última abordagem nos remete ao princípio básico da medicina: “primo non nocere” (frase postulada por Hipócrates, no século III a.C, com tradução: Primeiro não faça o mal). Ou seja, na incerteza de alcançar benefício, muitas vezes deve-se repensar a indicação.

Infelizmente, avalia o Dr. Rodrigo, essas perguntas só ficam mais próximas de serem respondidas quando existe uma relação de responsabilidade e confiança entre as duas partes (médicos e pacientes) envolvidas na tomada de qualquer decisão terapêutica.

IPC – Quando o assunto é cirurgia da coluna, fica ainda mais difícil, pois diversos aspectos clínicos e psicológicos podem intervir e influenciar os resultados. Para isso, o IPC conta com uma equipe multidisciplinar com suporte cientifico, psicológico, tratamento da dor, entre outros fatores para garantir que as tomadas de decisão e a evolução de nossos pacientes seja sempre a melhor possível para cada.

Estenose do canal lombar
Já está disponível a 6ª edição do IPC em Revista
Os tumores da coluna vertebral
Acesso lateral: uma opção moderna para a coluna
Quando operar e quando não operar…